.
.
Índice Alfabético de Personajes:  A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z


  Consultas habituales
- 
- 
- 
- 
- 

  Biografia e vida de Marina Vilte

Biografia de Marina Vilte, um professor que deu a sua vida.

História construída sobre a base do livro "Marina Vilte Branco nos anos setenta" Sofia D 'Andrea-1 ª Edição La Plata 2008 - Bell Editorial para Equipe de Coordenação de "Flare" Avós Relatores Grupo Identidade do Memória e Inclusão Social, do Departamento de Direitos Humanos, Cidadania e Voluntariado e Abril de 2010

Marina Vite, uma verdadeira obra-prima.

Marina Vilte.

"MARINA Vilte" é o nome que tem hoje o Instituto de Pesquisas Educacionais CTERA.Nome que representa um tributo à luta eo empenho dos professores

Marina Vilte nascido em San Salvador de Jujuy, em 1938 e em 1956 recebeu seu Mestre Média Nacional.

Profundo conhecimento da realidade educacional de sua província, ele começou a andar o compromisso intenso para a sua própria auto ensino e da comunidade a que pertencia.

Ele caminhou Purmamarca e as pessoas levantadas nas colinas de cores, foi coplera no carnaval da Garganta, mas também ler a "Pedagogia do Oprimido", de Paulo Freire fogo que marcou a geração de professores / as de 60 e 70.Ao mesmo tempo eu estava fogueando em lutas sindicais e serviu como secretário da Associação Provincial de Professores.

Em seguida, correu um ar de mudança social, questionando as velhas estruturas que fizeram a população mais indefesos em atraso e miséria.

Depois veio o 70 ea proliferação de grupos e organizações que levantaram a necessidade de combater a pobreza, a uma melhor distribuição da riqueza e do lançamento do imperialismo dos EUA.

Marina é um ativista união com o seu próprio estilo: o outro lado do burocrata sindical defendendo um trabalho honesto e de estudo.Por três mandatos consecutivos foi eleito autoridade do ADEP (Associação Provincial de Educadores).

Marina participou Vilte que 12 de setembro de 1973, quando o CTERA (Confederação dos Trabalhadores da Educação da Argentina) nasceu onde o vice-secretário.

Mas em 1974, depois do Ministério do Trabalho restabelece status legal ao UDA (Sindicato dos Professores da Argentina) e considerado o órgão sindical só legalmente reconhecido, a situação entra em um alto grau de conflito e desde então nada seria fácil.

As mesmas 24 março de 1976, o dia em que ocorre o golpe, Marina cai presa primeiro.

E é nessa madrugada para Isauro Arancibia, vice-secretário de CTERA, que é morto a tiros junto com seu irmão Arthur, na sede da ATEP (Tucumana Associação Provincial de Professores).

Marina é liberada depois de um mês e, fiel às suas convicções, tem lugar na ADEP.

Será o fim do mesmo ano, 31 de dezembro, às cinco da manhã, quando ele é retirado de sua casa e levado para um destino desconhecido sempre.

Entrar para um dos Centros de detenção clandestino foi cair no inferno, na dignidade pisoteada no horror da tortura e do desaparecimento de jovens vozes que impuseram os executores.

Somente a partir de 1983, quando a democracia for restabelecida, é quando você começar a restaurar a verdade ea justiça.

Hoje podemos dizer que o CTERA fundador que participaram Marina Vilte instalado a questão professor nas agendas tanto do governo nacional e os governos provinciais e para sempre cimentou a defesa da "trabalhadores da educação".

Justamente com o nome "Maria Vilte" não só para as escolas e instituições de ensino se liga, mas permanece na memória de todos aqueles que lutam por uma educação pública decente.

Conteúdo traduzido automaticamente, consulte a versão original (em espanhol)
  Biografia publicada el 2011-10-11. Até agora recebeu 19367 visitantes
Compartilhar:
 

      Biografias recomendadas
JamiroquaiDavid CarusoSalvador Salaza...
Gerard PiquéDre DrAlfredo Bryce E...
 
  Veja também
(Valladolid, 1554- id., 1633) Mística española. Fundó la reforma de Santa Brígida. Se conserva una Vida maravillosa de la venerable virgen Doña Marina de Escobar (1665) del padre La Puente, su directo...
(c. 1500- c. 1527) Nombre con que fue bautizada Malinche, indígena mexicana que fue amante de H. Cortés
(Antioquía de Pisidia, c. 255- id., 275) Virgen y mártir. Fue dada a conocer por una leyenda muy popular, sin base histórica. En 1969 dejó de figurar en el calendario oficial romano
(San Petersburgo, 1908) Bailarina soviética. Sus actuaciones (El lago de los cisnes, La bella durmiente del bosque, La bayadera, Raymonda, Don Quijote y Giselle) la convirtieron en una de las mejores ...
(Moscú, 1894-Yelábuga, cerca de Kazán, 1941) Poetisa rusa. Su obra es, junto con la de Anna Ajmátova, Ossip Mandelstam y Boris Pasternak, una de las más notables de la moderna poesía rusa. Se exilió e...
  Comentarios
   
     
.
Contacto - Enlaces de interés - Biografías cortas - Jugos caseros - Remedios caseros | Politicas de privacidad